Alta do juro e escassez de recursos para financiamento reduzem mercado imobiliário

Um dos setores mais favorecidos pelo ciclo de crescimento atravessado pelo país nos últimos anos, a construção civil sofre agora um abalo em dois de seus principais pilares. A retração da economia e a percepção de que o desemprego tende a subir minam a confiança de quem ainda poderia se animar a adquirir a casa própria. Ao mesmo tempo, o sistema financeiro vive um momento oposto ao do passado recente, com crédito restrito e juro mais alto.

Setor de construção civil deve ter pior ano desde 2003

Com a redução na quantidade de empreendimentos previstos para serem construídos, o reflexo é imediato no mercado de trabalho — que chegou a sofrer com um apagão de mão de obra. Conforme o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, também nos últimos 12 meses finalizados em março, a construção civil fechou 10,3 mil vagas com carteira assinada no Rio Grande do Sul.

Na Região Sul, o Estado foi o único com fechamento de oportunidades no primeiro trimestre do ano — com 1.298 a menos.

Produção industrial cai no RS e setor estima mais demissões
Produção industrial brasileira tem a maior queda dos últimos cinco anos

Com as estruturas que sustentam a atividade comprometidas, os números exibidos pela construção deixaram a exuberância no passado. Na Capital, as vendas de imóveis novos caíram 13,73% nos últimos 12 meses encerrados em março, mostram as estatísticas do Sindicato das Indústrias da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS). Os lançamentos também recuaram. No mesmo período de um ano, a queda chegou a 46,93% ante o intervalo anterior.

Proposta para ampliar valor utilizado do FGTS

O setor agora tenta negociar com o governo federal uma saída para melhorar a oferta de crédito, também mais enxuta em razão dos saques recordes na poupança — recurso tradicionalmente usado — devido à procura por investimentos com melhor remuneração. Primeiro, foi tentada a liberação de compulsórios recolhidos por bancos, o que poderia representar injeção de até R$ 40 milhões, mas a alternativa foi vetada pela equipe econômica por contrariar o aperto monetário para tentar conter a inflação.

Outra possibilidade seria ampliar o valor limite financiado pelos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), hoje em R$ 190 mil para Porto Alegre, por exemplo. A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) teve um encontro semana passada com a cúpula do Banco Central e do Ministério da Fazenda, mas saiu da reunião com as mãos abanando. No curto prazo, não há perspectiva de melhora do mercado, avalia o presidente do Sinduscon-RS, Ricardo Sessegolo.

— Não poderíamos perder esses dois fatores ao mesmo tempo. Se somarmos a baixa confiança com a falta de crédito, vamos mais para baixo — alerta Sessegolo.

Para o presidente do Creci-RS (entidade dos corretores), Flavio Koch, o mercado a passos lentos é reflexo da decisão mais demorada dos clientes em função da incerteza política e econômica do país, o que leva os empresários a também segurarem os lançamentos. Mesmo assim, o cenário não é tão assustador, avalia Koch. Para ele, o momento de superaquecimento do setor, há alguns anos, também não foi saudável e levou a contratempos como a demora para compradores receberem seus imóveis devido a problemas como falta de material de construção.

— Já passei por muitas crises e elas são superadas em um prazo não tão longo quanto se imagina — avalia.

NÚMERO

Os saques superaram os depósitos na poupança no mês passado em R$ 5,85 bilhões, o pior resultado para abril na série iniciada em 1995.

Valorização abaixo da inflação

Com o mercado retraído, os preços dos imóveis também deixaram para trás o período de valorização galopante que chegou a gerar o temor — refutado pela maioria dos especialistas — de uma bolha imobiliária no país. Compilado com a observação de 20 cidades brasileiras, o Índice FipeZap mostra que, nos quatro primeiros meses do ano, a variação dos valores, de 1,08%, ficou abaixo da inflação do período medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 4,56%. Em Porto Alegre, o índice subiu menos ainda, apenas 0,9%. A tendência, assinala o diretor-presidente do site, Eduardo Schaeffer, é que o índice encerre o ano subindo abaixo da inflação, mas em algumas praças o tombo pode ser maior.

— Em algumas regiões, haverá queda nominal de preços no acumulado do ano de até 5% — projeta Schaeffer, lembrando que o índice se refere apenas a móveis residenciais e usados.

Recuperação de preços, estima, só a partir de meados do próximo ano. Uma das situações que mais preocupa é a da Caixa. Além da falta de recursos para emprestar, este mês começaram a valer os limites menores para o crédito direcionado à aquisição de imóveis usados. Quando o recurso tem origem na poupança, o teto caiu de 80% para 50% do valor do bem. No caso de dinheiro do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), a redução foi de 70% para 40%.

Análise semelhante tem o vice-presidente comercial do Sindicato da Habitação do Estado (Secovi-RS), Gilberto Cabeda. Pelos números da entidade, a valorização dos imóveis usados empatou com a inflação em 2014 e, neste ano, tende a perder. O crédito mais escasso e caro aliado aos limites mais baixos estabelecidos pela Caixa, entende Cabeda, devem fazer o número de negócios cair 10% em comparação ao ano passado, quando as transações já diminuíram em torno de 30%.

— O maior número de negócios ocorre com imóveis de até R$ 650 mil. Nessa faixa, pouca gente tinha disponibilidade de 20% do valor. Aumentando para 50%, essa classe média fica absolutamente prejudicada — diz Cabeda.

Cidade mais em conta?

Recente pesquisa FipeZap para analisar a relação entre preço dos imóveis e renda mostra que, entre seis capitais brasileiras analisadas, Porto Alegre oferece, em tese, os apartamentos mais acessíveis para compra. No Rio, considerada a cidade mais cara, a relação é de 17,3. Ou seja, uma família carioca média levaria pouco mais de 17 anos para pagar um imóvel padrão de 70 metros quadrados. Em Porto Alegre, onde a facilidade seria maior, não chegaria a nove anos. Entre 34 cidades do mundo pesquisadas, Porto Alegre seria a quinta com a melhor relação entre renda e preço dos imóveis.

Em busca de recolocação

Dispensado após a obra do prédio onde trabalhava se aproximar do fim, o impermeabilizador Sergio Alberto Carvalho, 40 anos, não se assusta com o que os números da construção civil mostram. Para ele, demissão também não é novidade devido à alta rotatividade do setor. Única fonte de sustento da casa, Carvalho aposta que não fica sequer um mês sem trabalho.

— Acho que não está tão difícil assim. Tem é que ir atrás. É procurando que se acha — diz Carvalho, que na terça-feira foi ao Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias da Construção Civil da Capital (Sticc) homologar a demissão do emprego.

Para o presidente da entidade, Gelson Santana, o número maior de demissões é reflexo tanto da economia retraída quanto de possíveis dificuldades burocráticas para as construtoras lançarem novos empreendimentos. De janeiro a abril, a entidade contabiliza a homologação de 2,6 mil demissões, 4% a mais na comparação com o mesmo período do ano passado.

— Estávamos esperando até queda maior (no emprego) — diz Santana, que também atribui os números ao fim da etapa de obras civis em grandes empreendimentos como as ampliações da Refinaria Alberto Pasqualini, em Canoas, e da Celulose Riograndense, em Guaíba.

Na avaliação do Sinduscon-RS, o licenciamento de empreendimentos deixou de ser o principal empecilho para lançamentos.
aplicativo de aluguel para administradoras de condomínios programa locação administradoras de imóveis aplicativo de gerência para apartamentos app de administração para terrenos sistema aluguel de lojas aplicativo para gestão apartamentos app administrar administradoras de condomínios aplicativo de gerenciar de lojas app para gestão de apartamentos aplicativo para prédios sistema lojas aplicativo de controlar para imobiliárias app controlar para imóveis sistema para controlar administradoras de condomínios sistema controle imóveis software gerenciamento de casas aplicativo para gerir para apartamentos software para administração para administradoras de condomínios programa de gerir lojas app de gerência de administradoras de imóveis sistema aluguel para prédios software para administrar prédios programa de gerenciamento de condomínios aplicativo administrar para administradoras de imóveis programa administração administradoras de condomínios aplicativo gerir para administradoras app de gestão para administradoras de imóveis software aluguel de lojas programa gerenciar sistema controle terrenos software para gestão para imóveis programa para gestão de apartamentos app de aluguel para casas software de administrar de administradoras de condomínios software de gerenciar de prédios sistema locação de terrenos app para apartamentos aplicativo para controlar de imobiliárias programa gestão administradoras de condomínios app para aluguel imobiliárias app administração terrenos software de controle para imóveis programa controle para terrenos sistema condomínios programa para gestão apartamentos programa para gerenciamento terrenos programa gestão para administradoras aplicativo de gestão casas sistema de gerenciar imobiliárias programa para controlar para terrenos